Pessoas que são religiosas vivem mais, conforme pesquisa.

05.07.2018 | em atualidades

“De acordo com estudo publicado pela revista Social Psychological and Personality Science“, podem ter a vida prolongada em até 4 anos. A afiliação religiosa teve um efeito quase tão forte na longevidade quanto o gênero, o que é uma questão de anos de vida”, contou Laura Wallace, principal autora do estudo, ao Medical News Today.

O efeito religião:

Pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, realizaram dois estudos cujos resultados mostraram que a religião pode acrescentar alguns anos na longevidade dos fiéis. Na primeira pesquisa, a equipe analisou 505 obituários publicados no Registro de Des Moines – jornal americano do estado de Iowa – entre janeiro e fevereiro de 2012. Os resultados indicaram que as pessoas devotas viveram 9,45 anos a mais do que as que não tinham registros de filiação religiosa no obituário.

Já no segundo estudo, os pesquisadores avaliaram 1.096 obituários publicados online, em 42 das maiores cidades dos Estados Unidos dentro do período de 12 meses (agosto de 2010 e agosto de 2011). A análise mostrou que os religiosos viveram 5,64 anos a mais. As pesquisas ainda consideraram o sexo e o estado civil, o que mostrou um pequena diferença nos resultados: no primeiro, a longevidade era de 6,48 anos; no segundo, 3,82 anos.

Religião e longevidade:

Primeiro é necessário mencionar diversos estudos mostraram que outras atividades sociais, como ter um animal de estimação, andar mais rápido e as interações sociais podem influenciar positivamente na longevidade de um indivíduo. Além disso, o gênero de uma pessoa também pode indicar mais tempo de vida: nos Estados Unidos, por exemplo, as mulheres chegam a viver, em média, 81,2 anos, enquanto os homens têm uma expectativa de vida de apenas 76,4 anos. Já no Brasil, a longevidade feminina atinge os 79,4 anos – cerca de 7 anos a mais que os homens (72,9).

Mesmo diante dessas informações, os pesquisadores tentaram explicar que atividades sociais ou voluntárias exerciam menos efeito na longevidade do que a religião. “Descobrimos que o voluntariado e o envolvimento em organizações sociais representam apenas um pouco menos de um ano do aumento da longevidade se comparado com o que a afiliação religiosa proporcionou”, disse Laura.

Abstinência e submissão religiosa:

Para explicar essa relação entre a participação religiosa e a expectativa de vida dos indivíduos, os pesquisadores indicam o fato de que os fiéis costumam se abster de práticas insalubres, como o uso de drogas e álcool, por exemplo. Além disso, Baldwin Way, co-autor do estudo, afirma que muitas religiões promovem práticas de redução do estresse que podem melhorar a saúde, como gratidão, oração, bem como a meditação.

Ainda que essas sejam apenas hipóteses, o estudo mostrou algumas evidências importantes de que a “submissão” e a “obediência” mediam a relação entre a religião e longevidade: em cidades onde existiam esses sentimentos, os fiéis viviam mais que as pessoas sem religião.
Sendo assim, basta observarmos as pessoas ao nosso redor e chegar a sua própria conclusão. Se a pessoa religiosa tem mesmo a chance de ter melhor qualidade de vida e se tempo de vida se prolongará, por ser praticante de alguma religião e nela encontrar muitas explicações para o que acontece com sua vida. Que sirva de reflexão esse estudo.
Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/pessoas-religiosas-vivem-mais-aponta-estudo/ar-AAyPcyv?ocid=spartandhp; veja.com

Deixe seu comentário!